A Cooperativa de Trabalho Educacional COOPEEB LTDA foi fundada no dia 09/05/2000 na Assembleia Geral de Constituição, realizada nas dependências do Colégio Concórdia de Porto Alegre. Participaram desta Assembleia 20 pessoas interessadas na iniciativa, além de um advogado, que auxiliou no esclarecimento das possíveis dúvidas com relação à implementação da Cooperativa.

Durante o encontro, foram escolhidos os Cooperados responsáveis pela função de direção. Também foi discutido e aprovado o Estatuto Social, que é parte integrante da primeira ata.

A partir deste momento, foram muitas as reuniões até que,  no dia 01/09/2000, a COOPEEB assumiu a manutenção do Colégio Concórdia.

Conscientização dos Interessados

A criação de uma cooperativa segue os requisitos da lei civil e, por conta disso, deve seguir alguns procedimentos.

O primeiro passo é organizar um grupo mínimo de 20 pessoas, conforme disposto na Lei 5764/71, que estejam dispostos a encarar o desafio.  Para a constituição da COOPEEB, isso foi alcançado a partir de reuniões, palestras, leituras, estudos, visitas à Organização das Cooperativas do Estado do Rio Grande do Sul (OCERGS) e visitas à outras Cooperativas.

Desde o início, o público alvo da COOPEEB se constituiu de pais e professores preocupados com um alto nível de ensino com baixo custo. As mensalidades do Colégio Concórdia seguem padrões acessíveis e possíveis já que os pilares do Cooperativismo são antagônicos ao elitismo.

Elaboração dos Estatutos

Já com o número suficiente de pessoas interessadas no processo de criação da COOPEEB, o próximo passo foi a elaboração de uma minuta de Estatuto Social, ou seja, as regras que devem ser seguidas pela “sociedade” que se formou.

Existem vários modelos de Estatuto e o grupo deve escolher o que melhor conversar com os interesses da equipe, adaptando-o para a sua realidade. Em seguida, após a elaboração da minuta do Estatuto, deve ser convocada, através de órgão da imprensa escrita, uma Assembleia Geral para a fundação da Cooperativa.  O Estatuto deve ser o mais abrangente possível, não podendo negligenciar sobre os seguintes assuntos, que devem ser colocados o mais claro possível: contratação e demissão de pessoal, sistema de eleição, divisão e autonomia dos poderes, etc. Para tal é necessário assessorar-se de pessoas ligadas ao meio Cooperativo para que elas auxiliem na elaboração dos Estatutos. Outra ideia é conseguir um Estatuto de alguma Cooperativa, que já esteja em funcionamento há algum tempo, e a partir deste Estatuto, fazer as modificações necessárias para sua realidade.

Aprovação e Registro dos Estatutos

Na Assembleia Geral convocada para a fundação da COOPEEB foi discutido e apresentado o Estatuto Social. Aprovado, o Estatuto foi registrado em um Cartório e os papéis de constituição da Cooperativa, na Junta Comercial. Em seguida foi feita a publicação do registro do Estatuto no Diário Oficial do Estado.

Eleição do Conselho Administrativo

A mesma Assembleia que aprovou o Estatuto elegeu o Conselho Administrativo. Foram eleitas pessoas que já ocupavam cargos de liderança no Colégio Concórdia. O primeiro Conselho Administrativo teve determinado, pela Assembleia, um mandato de dois anos.

Após as medidas de cunho burocrático (legalização da Cooperativa perante à Junta Comercial; registro do Estatuto no Cartório de Notas e publicação da minuta do Estatuto no Diário Oficial), o Conselho administrativo realizou uma campanha junto aos professores e funcionários para que todos se integrassem à COOPEEB.

O Conselho Administrativo fez ainda a transferência de mantenedoras: a mantenedora do Colégio Concórdia deixa de ser a comunidade Evangélica Luterana Cristo e passa a ser a COOPEEB. Convencer membros de uma comunidade, com 100 anos de história, a ceder o controle geral à uma cooperativa foi algo de extrema delicadeza. Muitas pessoas entenderam que seria o melhor caminho para a realidade do momento histórico/financeiro em que se encontrava o Concórdia. Porém, para muitos, foi um sentimento de perda que dificultou o andamento do processo de transferência.

A Assembleia da CELC, diante dos números apresentados sobre a situação financeira do Concórdia, optou por ceder a manutenção à Cooperativa, locando os prédios. Porém, quanto a manutenção da filosofia cristã no Colégio, houve um acordo: a COOPEEB se responsabiliza em manter um pastor da Igreja Evangélica Luterana do Brasil para a função de capelão.

Demais Conselhos

Em seguida foi eleito o Conselho Fiscal e, mais tarde, o Conselho de Ética. Ambos são conselhos auxiliares do Conselho Administrativo.

Fonte: HISTÓRICO DA COOPEEB – MONOGRAFIA SÉRGIO LUTZ